segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Proibição de Animais em Circos

12 de Outubro de 2009, 17:22
Agência Lusa

A associação Animal e a Liga Portuguesa para os Direitos do Animal saudaram hoje o Governo português pela proibição (a médio prazo) da exibição de animais em circos.
"Este é um forte sinal de que o Governo está acordado para esta questão", da exploração dos animais em circos, disse à agência Lusa Miguel Moutinho, da associação Animal.
Na opinião deste responsável, os animais que estão actualmente nos circos deveriam ser retirados e entregues ao Estado, que lhes daria um destino, mas a lei hoje publicada proíbe apenas aos circos a aquisição de novos animais, impedindo apenas que comprem novos e a reprodução dos já detidos.
_____________________

O governo já deu o 1º passo.
Esperemos que não seja apenas provisório e se torne definitivo.
E para quando o fim das touradas? Vamos lutar pelo fim desta carnificina?


_____________________

Lisboa, 12 de Outubro 18:19
Agência Lusa

Miguel Chen, director do Circo Chen, disse hoje que quem fez a portaria que proíbe a compra e a reprodução de certos animais que vivem nos circos "esqueceu-se de mandar fabricar preservativos para os tigres" e outras espécies.

Miguel Chen reagia, com ironia, à notícia de que a exibição de animais nos circos tem os dias contados com a publicação de uma lei que proíbe a compra de novos macacos, elefantes, leões ou tigres e que impede a reprodução dos animais já detidos pelos circos.
Como aqueles animais do circo "vivem em família", Miguel Chen referiu que a reprodução não pode ser impedida, dizendo "não saber o que vai acontecer" com os animais que vierem a nascer no circo.

9 comentários:

  1. Imaginem que conseguem proibir animais em circos e touros em touradas. Como não sabem o que fazer com os bichos entregam-nos ao Estado, que é o que fazem todos os dependentes incapazes de resolver os seus problemas.

    Eu não tenho nenhum blogue sobre animais, mas gosto muito mais deles que vocês. Quero mais cavalos, mais leões, mais tigres, mais touros, mais bicharada de toda a espécie… A promoção de circos e de touradas é a razão do nascimento de muitos animais. Muitos números de circo são executados sem qualquer sofrimento dos animais, e mesmo nas touradas o sofrimento provocado pelas farpas deve ser relativizado, tendo em consideração que os touros continuam com robustez física.

    Assim, se querem realmente mudar o mundo, proponho-lhes outro eixo que me parece mais interessante: DIREITOS HUMANOS. “O problema não é haverem animais que vivem como pessoas, é haver cada vez mais pessoas que vivem como animais”. http://www.amnistia-internacional.pt/ Boa Sorte para o vosso blogue!

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pelo v/blog e pela coragem que os jovens ainda demonstram em querem "mudar o mundo" começando com a protecção dos animais, dos seres que não sabem "falar" com os humanos, emboram consigam comunicar. Pena é que a maioria dos humanos não os percebam. Ou melhor não querem perceber e fazem-se desentendidos.
    Se não existirem iniciativas destas e por parte da população mais jovem, hoje em dia acusada de passar o seu tempo à frente dos televisores, rodeados de Ipdod's e Mp3's, acreditariamos que os nossos jovens estavam a torna-se seres amorfos.
    Se os humanos não "percebem" os animais e os consideram "apenas" animais, como poderão então defender os próprios humanos? Os sentimentos para com humanos serão diferentes para com os animais? Existem sentimentos diferenciados? Aqui reside a principal diferença, e não é pequena.
    Quer dizer, vamos ter mais pena das pessoas do que dos animais, sim, porque o mal que lhes fazemos e vemos fazer, é "relativo". Serão as dores diferentes? Será a tristeza, a solidão, o abandono, os maus tratos, diferentes? Só porque os próprios humanos consideram que há diferenças. Onde?
    “O grau de desenvolvimento de um povo mede-se pela forma como trata os seus animais” – Ghandi
    Quem maltrata, despreza ou menos-preza os animais como poderá tratar o seu semelhante? É uma questão de desenvolvimento das sociedades. Mas, pelos vistos, neste aspecto(como em muitos outros) continuamos na cauda da Europa.
    Continuem com o vosso blog e não desistam de lutar pelos que não têm voz na sociedade. Sejam as voz dos animais!

    ResponderEliminar
  3. Grande Neto,
    Obrigado pelo teu comentário. Concordo, em parte, contigo. No entanto, esta temática dos "direitos dos animais" foi aquela que escolhemos para este mês de Outubro. Até Maio, do próximo ano, muitas outras (nomeadamente aquela de que falas) serão abordadas. Contamos contigo. Um grande abraço,
    jorge
    (Soma Basa: este Neto tb foi daqueles que inaugurou a Nova!)

    ResponderEliminar
  4. Não concordo com o José Neto. Os animais nasceram para ser livres, seguir uma cadeia alimentar e reproduzir naturalmente.

    Existem animais domésticos e não domésticos. Não percebo porque temos de ter Tigres fechados em jaulas (com certeza tristes por nem sequer saberem o que é uma gazela). Os Circos até podem ser o mais meigos e atenciosos com os bichos, não o duvido, (eu gosto de ser ingénuo) mas esses bichos querem correr e não passar a vida a reproduzir e fazer espectáculos degradantes como o Circo. Se há animais que se adaptem e são felizes (Cães, Gatos) há outros que não querem contacto humano ou nem o conhecem como respeito mas sim subordinação.

    Dir-me-ião que ter Cães e Gatos será contra-natura. Concordo mas será este argumento fiável? Não porque o cão não foi feito para estar com os homens mas ele simpatizou e houve um conjugação de relações "felizes" entre ambos o que não acontece com os animais exóticos que para criarem uma relação (de subordinação! e não de afecto) o homem usará outros métodos menos ortodoxos.

    Não me quero alongar mas queria frisar que sou contra Touradas, Circos e Zoos ou se forem gigantes para os animais enfim viverem com algum conforto ou então usa-los como estação de tratamento.

    PS: Queria já agora deixar uma sugestão às autoras do Blogue para fazerem um artigo sobre as nefastas Puppy Mills.

    ResponderEliminar
  5. Obrigado, João Quartilho pelo seu comentário. É bastante interessante o seu ponto de vista e irei publicar o seu comentário como post no blog, se estiver de acordo.
    Quanto à questão das Puppy Mills, iremos pesquisar sobre o tema e certamente iremos publicar um artigo. Obrigado pela sugestão!

    ResponderEliminar
  6. Parabéns, sobretudo porque é uma iniciativa jovem, que levanta uma problemática que a nossa sociedade "evoluida" escamoteia.
    O comentário de José Neto é o reflexo da Sociedade que temos.
    Uma Sociedade só poderá evoluir quanto se dedicar à protecção e ajuda dos mais fracos, sejam animais racionais ou irracionais.
    Precisamos de dar atenção aos mais fracos sobretudo aqueles que lhes é vedado o direito de manifestação de protesto e que asseguram a sobrevivência da Espécie Humana.
    Assim continuem esta caminhada, os animais irracionais precisam de vós. E ao ajudarem esses amigos irãocontribuir concerteza para uma melhor qualidade e vida das pessoas.Serão concerteza num futuro próximo pessoas mais válidas mais fraternas menos egoistas e contribuirão para um mundo melhor.
    Força

    ResponderEliminar
  7. Viva!

    Parabéns pelo projecto!
    Devo dizer que, de facto, com a extinção da tourada a espécie seguiria o mesmo caminho.
    Mas a questão que se coloca é:
    Será moral, aceitável ou mesmo decente continuar uma espécie, cujos membros existem para serem torturados numa arena, experienciando uma dor inimaginável? Parece-me que não!
    Tortura não pode ser tradição, muito menos divertimento.
    Um país dito "civilizado" não pode permitir estes espectáculos sádicos.

    Não deicem de participar nas manifestações anti-tourada providas pela Associação ANIMAL, em frente à praça de touros do campo pequeno. Visitem o blog:
    http://blogdaanimal.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Só perca por tardia a entrada em vigor da nova lei que proíbe o uso de algumas espécies animais em circos. Seja em que local for, a dignidade animal não é compatível com o seu exibicionismo e exploração. Grande parte dos circos modernos já não utilizam animais nos seus espectáculos usando para isso a teatralidade e as artes circenses, verdadeiras géneses do circo. Profissionalizando esses artistas circenses e inovando o sector, estão criadas as condições para que todos os animais desapareçam dos circos portugueses. É importante a consciencialização dos mais novos para que se acabe também com espectáculos deprimentes como as touradas. Como diria Axel Munthe, "o animal selvagem e cruel não é aquele que está atrás das grades. É o que está na frente delas."

    http://dylans.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  9. Caro José Neto,

    "A promoção de circos e de touradas é a razão do nascimento de muitos animais."
    Bem, não sei onde ouviu isso... De qualquer maneira, já ouviu a expressão exploração animal? Parece que não...

    ResponderEliminar